Arquivo da categoria: Uncategorized

Mitigate TCP SYN Flood Attacks with Red Hat Enterprise Linux 7 Beta

Ótimo post sobre Mitigação de ataques TCP SYN Flood.

Red Hat Enterprise Linux Blog

Distributed Denial of Service (DDoS) attacks are becoming increasingly commonplace as business becomes more and more dependent on delivering services over the Internet.  One of the most common types of DDoS attacks is the well-known SYN-flood attack. It is a basic end-host resource attack designed to bring your server to its knees.  As a result, your server is unable to properly handle any new incoming connection requests.

Recently at DevConf.cz 2014, I gave a talk focusing on how you can survive TCP SYN-flooding attacks by implementing some recently developed kernel level Netfilter/iptables defense mechanisms. In this post I will provide a more condensed version of the talk highlighting how you can use these same techniques to protect your servers running Red Hat Enterprise Linux 7 Beta.

Ver o post original 1.129 mais palavras

Anúncios

Sobre o vexame da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 2014.

Crônica de Carlos Drummond de Andrade, publicada em 7 de julho de 1982, no Jornal do Brasil.

Perder, Ganhar, Viver

Vi gente chorando na rua, quando o juiz apitou o final do jogo
perdido; vi homens e mulheres pisando com ódio os plásticos
verde-amarelos que até minutos antes eram sagrados; vi bêbados
inconsoláveis que já não sabiam por que não achavam consolo na
bebida; vi rapazes e moças festejando a derrota para não deixarem de
festejar qualquer coisa, pois seus corações estavam programados para
a alegria; vi o técnico incansável e teimoso da Seleção xingado de
bandido e queimado vivo sob a aparência de um boneco, enquanto o
jogador que errara muitas vezes ao chutar em gol era declarado o
último dos traidores da pátria; vi a notícia do suicida do Ceará e
dos mortos do coração por motivo do fracasso esportivo; vi a dor
dissolvida em uísque escocês da classe média alta e o surdo clamor de
desespero dos pequeninos, pela mesma causa; vi o garotão mudar o
gênero das palavras, acusando a mina de pé-fria; vi a decepção
controlada do presidente, que se preparava, como torcedor número um
do país, para viver o seu grande momento de euforia pessoal e
nacional, depois de curtir tantas desilusões de governo; vi os
candidatos do partido da situação aturdidos por um malogro que lhes
roubava um trunfo poderoso para a campanha eleitoral; vi as oposições
divididas, unificadas na mesma perplexidade diante da catástrofe que
levará talvez o povo a se desencantar de tudo, inclusive das
eleições; vi a aflição dos produtores e vendedores de bandeirinhas,
flâmuIas e símbolos diversos do esperado e exigido título de campeões
do mundo pela quarta vez, e já agora destinados à ironia do lixo; vi
a tristeza dos varredores da limpeza pública e dos faxineiros de
edifícios, removendo os destroços da esperança; vi tanta coisa, senti
tanta coisa nas almas.

Chego à conclusão de que a derrota, para a qual nunca estamos
preparados, de tanto não a desejarmos nem a admitirmos previamente, é
afinal instrumento de renovação da vida. Tanto quanto a vitória
estabelece o jogo dialético que constitui o próprio modo de estar no
mundo. Se uma sucessão de derrotas é arrasadora, também a sucessão
constante de vitórias traz consigo o germe de apodrecimento das
vontades, a languidez dos estados pós-voluptuosos, que inutiliza o
indivíduo e a comunidade atuantes. Perder implica remoção de
detritos: começar de novo.

Certamente, fizemos tudo para ganhar esta caprichosa Copa do Mundo.
Mas será suficiente fazer tudo, e exigir da sorte um resultado
infalível? Não é mais sensato atribuir ao acaso, ao imponderável, até
mesmo ao absurdo, um poder de transformação das coisas, capaz de
anular os cálculos mais científicos? Se a Seleção fosse à Espanha,
terra de castelos míticos, apenas para pegar o caneco e trazê-lo na
mala, como propriedade exclusiva e inalienável do Brasil, que mérito
haveria nisso? Na realidade, nós fomos lá pelo gosto do incerto, do
difícil, da fantasia e do risco, e não para recolher um objeto
roubado. A verdade é que não voltamos de mãos vazias porque não
trouxemos a taça. Trouxemos alguma coisa boa e palpável, conquista do
espírito de competição. Suplantamos quatro seleções igualmente
ambiciosas e perdemos para a quinta. A Itália não tinha obrigação de
perder para o nosso gênio futebolístico. Em peleja de igual para
igual, a sorte não nos contemplou. Paciência, não vamos transformar
em desastre nacional o que foi apenas uma experiência, como tantas
outras, da volubilidade das coisas.

Perdendo, após o emocionalismo das lágrimas, readquirimos ou
adquirimos, na maioria das cabeças, o senso da moderação, do real
contraditório, mas rico de possibilidades, a verdadeira dimensão da
vida. Não somos invencíveis. Também não somos uns pobres diabos que
jamais atingirão a grandeza, este valor tão relativo, com tendência a
evaporar-se. Eu gostaria de passar a mão na cabeça de Telê Santana e
de seus jogadores, reservas e reservas de reservas, como Roberto
Dinamite, o viajante não utilizado, e dizer-lhes, com esse gesto, o
que em palavras seria enfático e meio bobo. Mas o gesto vale por
tudo, e bem o compreendemos em sua doçura solidária. Ora, o Telê!
Ora, os atletas! Ora, a sorte! A Copa do Mundo de 82 acabou para nós,
mas o mundo não acabou. Nem o Brasil, com suas dores e bens. E há um
lindo sol lá fora, o sol de nós todos.

E agora, amigos torcedores, que tal a gente começar a trabalhar, que
o ano já está na segunda metade?


Easy Life Fedora 16.

Caro leitor,

Visando facilitar a vida dos usuários do Fedora, foi criada uma ferramenta que permite tanto novos usuários quanto experientes a instalarem diversos softwares bastando apenas utilizar um clique.

Experimente esta ferramenta!

Inclusive já está disponível para o Fedora 16!!!

Link: http://www.projetofedora.org/easylife_para_fedora16


Fedora 16 Beta

É, faltam 13 dias para o lançamento do Fedora 16, pra os apressadinhos a versão Beta já está disponível.

Segue o Link: http://fedoraproject.org/en/get-prerelease

Um abraço a todos!


Lançado o Fedora 16 Alpha!

Confiram! já está disponível para download.

http://fedoraproject.org/get-prerelease

Até mais…


Fedora não irá incluir o Btrfs na versão 16.

Recentemente, tornou-se evidente que Btrfs não cumpriu com o previsto. A principal razão para isso continua a ser o desenvolvimento ainda em andamento de um programa decente para teste e reparo de sistemas de arquivos Btrfs. Bacik tinha a esperança de que tal programa seria lançado em maio, agora, o desenvolvedor mencionou um prazo de “algumas semanas”, mas também disse que a meta dos desenvolvedores é o Linux Plumbers Conference, que terá início em 07 de setembro. O projeto Fedora provavelmente irá fazer uma segunda tentativa para mudar no Fedora 17.

 

Fonte: http://www.h-online.com/open/news/item/Fedora-not-to-switch-to-Btrfs-in-version-16-1319827.html


Fedora 16 virá com Grub2, GNOME 3.2 e KDE 4.7

A lista de recursos contém 40 itens, incluindo GNOME 3.2 e KDE Plasma Workspaces 4.7. Os desenvolvedores estão planejando passar a usar para Grub2 como bootloader. Tendo alternado para systemd, como uma alternativa para sysvinit e upstart, no Fedora 15, o projeto pretende substituir sysv scripts init com unidades systemd na versão 16. Além disso, o Fedora irá oferecer tudo o que é necessário para a virtualização Xen, com a versão 3.0 do kernel do Linux, que agora é esperado para ser lançado na próxima Sexta-feira, vai incluir todos os componentes necessários.

Fonte: http://www.h-online.com/open/news/item/Fedora-16-to-have-Grub2-GNOME-3-2-and-KDE-4-7-1283238.html